actuellement 16234 films recensés, 2741 textes recherche | » english  
films réalisateurs acteurs producteurs distributeurs festivals agenda pays espace personnel  
  critiques»
  dossiers»
  analyses»
  entretiens»
  comptes rendus de festivals»
  reportages»
  documents»
  ateliers»
  Zooms»
  rédacteurs»
  écrans d'afrique»
  Asaru»
  lettre d'info
  inscription»
  desinscription»
  archives »
  liens»
  dépêches »
  nouvelles de
la fédération»
  la fédération»
  contacts»
  partenaires»
  accueil»




 
    
rédacteur
Luísa Fresta
publié le
04/04/2015
» films, artistes, structures ou événements liés à cette critique
» les commentaires liés à cette critique



Luísa Fresta (revue Africiné)


Ayékoro Kossou, realizador franco-beninense


Actriz Stana Roumillac ("Aïssa")


Jérôme Thévenet ("Georges")


Bruno Henry ("Albert")


Ayékoro Kossou, com o Dikalo Award 2014


Revista Africiné, Leader Mundial

retour
 
À coeur ouvert (De coração aberto), um filme de Ayekoro Kossou
A comunicação é arte subtil

Em pouco mais de 15mn, Ayekoro Kossou, jovem realizador franco-beninense consegue passar uma clara mensagem de esperança no ser humano, na sua capacidade de adaptação e de crescimento. Fá-lo através de um drama contado com simplicidade e por meio de uma história tocante, com a qual nos podemos identificar e sentir comprometidos como indivíduos. Jamais força a nota do melodrama, a história envolve-nos com gentileza e subtileza. Nela são abordados temas ainda e infelizmente perfeitamente actuais nas sociedades contemporâneas. A localização geográfica é irrelevante; dir-se-ia que a abordagem veste uma roupagem universal e adaptável, procurando ser o mais abrangente possível. Talvez seja esse um dos grandes méritos desta curta-metragem, (apresentada em numerosos festivais de referência um pouco por todo o mundo) o de poder chegar a um número incalculável de pessoas, independentemente dos seus constrangimentos sociais e culturais e da sua faixa etária.



Aïssa e Georges são um casal misto, que se entende bem no plano afectivo, mas a sua relação é mal percebida e contestada abertamente pela mãe deste, Marthe, uma senhora de meia-idade cujo comportamento abertamente racista, provocador e preconceituoso sobressai desde os primeiros diálogos. Marthe não esconde a sua aversão à nora e mima-a com comentários desagradáveis ao longo do dia, desde exclamações claramente insultuosas e inadequadas até pequenas farpas cortantes insinuando que Aïssa (Stana Roumillac) é gastadora e preguiçosa. "Mon fils n'a pas à repasser ses affaires, c'est un homme" (o meu filho não tem que passar a roupa dele a ferro, é um homem), é apenas um exemplo das demonstrações verbais mais flagrantes da sua arrogância.

Para além, do preconceito racial, também é abordado sem meias tintas o clássico conflito entre noras e sogras (neste caso há uma agressividade constante em sentido único), e, por outro lado, o machismo. De uma cajadada Ayekoro consegue matar ou pelo menos deixar inanimados vários coelhos: racismo, machismo e ainda aflorar, en passant mas com garra, o ciúme despropositado desta mãe possessiva e tóxica, que vê a sua cria ser abduzida pelas garras insistentes do amor sob a forma de uma rapariga, por acaso negra, que não corresponde ao seu ideal estereotipado de nora.

Difícil perceber como é que um filho criado em meio a tantos clichés e crenças irreais e malsãs consegue tornar-se num homem de bem e são de espírito, capaz de defender a relação com a mulher que escolheu mas também de tentar amenizar o ambiente com a mãe, mulher azeda e inconveniente, de chamá-la à razão, uma e outra vez, de tentar sensibilizá-la sem confrontá-la, nunca cedendo à tentação óbvia de reagir com as mesmas armas ou com a mesma crueza, considerando o seu comportamento bizarro como uma manifestação extemporânea de falta de tacto. Georges, em suma, move-se com elegância e boa-fé e evita aquilo que poderia facilmente descambar num violento conflito de lealdades, fazendo prova de uma diplomacia rara, mostrando que a comunicação é arte subtil


As pessoas podem mudar na essência? Aparentemente sim, mesmo que apenas, e sobretudo, na sequência de uma acontecimento traumático que afecte as suas vidas. Pelo menos é o que nos sugere o realizador.
Ao quadro familiar juntemos um pai (de Aïssa) de uma ternura imensa e bastante convincente como actor (Bruno Henry). Com efeito, Albert é o apoio constante e inabalável da jovem Aïssa, que para a além das constantes agressões verbais da sogra tem que lidar com uma doença do foro cardíaco que estará na origem do desfecho absolutamente genial e imprevisível desta pequena história despretensiosa. Quanto à sua relação com a sogra, este pai aconselha sabiamente à filha: "Ignore-la. Laisse-lui aussi le temps de changer…" (Ignora-a. Dá-lhe tempo para mudar).
Para aqueles que se deixam embalar pela previsibilidade aparente dos diálogos e do desenrolar da trama, chamo a atenção para a reviravolta absolutamente inesperada do final. Uma narrativa eficaz e espontânea, verdadeiramente de "Coração Aberto", porventura vagamente ingénua, a espaços, que teve, como muitos filmes, curtas e longas-metragens sobre os quais já tive o prazer de escrever, o mérito de ter sido feito por um grupo de gente batalhadora e insistente, com meios financeiros limitados, e fruto do envolvimento de amigos e familiares. Exemplo desse encarniçamento persistente é o facto de Ayekoro intervir também como figurante e produtor delegado, para além de autor da história original. Creio que o cineasta tem ainda muita margem para expandir o seu estilo de narração, explorar diálogos e encenações. Mas o essencial está aqui patente com clareza: um inegável talento e honestidade artística como autor, dinamismo, capacidade de engendrar vida com uma dinâmica própria, e de ver para além do óbvio, de recriar a realidade numa linguagem da ficção.
Não poderia terminar estas linhas sem uma nota de admiração pela escolha feliz da música original, a cargo de Adrien Bekerman, sublime e pertinente, essencial, mesmo nas pausas, adivinhando-se nos silêncios entre uma e outra cena.

Luísa Fresta

Alguns prémios:
DIKALO Award da melhor curta-metragem na 10ª edição do Filme Panafricano de Cannes em 2014.

Para mais informações sobre o filme, por favor consultar também :
www.facebook.com/pages/A-coeur-ouvert/234165386646694

haut de page


   liens films

A Coeur ouvert 2013
Ayekoro Kossou


   liens artistes

Bekerman Adrien


Belle Brigitte


Boisseau Damien


Henry Bruno


Kossou Ayekoro


Mokry Vinciane


Roumillac Stana


Thevenet Jérôme


   évènements

06/09/2013 > 08/09/2013
festival |France |
FIFDA 2013 - Festival International des Films de la Diaspora Africaine
3ème édition. Mission de FIFDA: Ouvrir la réflexion sur le vécu des personnes d'Afrique et d'origine africaine partout dans le monde et bâtir un pont avec une production audiovisuelle riche et variée pour enrichir le dialogue des cultures.

23/04/2014 > 27/04/2014
festival |France |
Festival International du Film PanAfricain de Cannes - FIFP 2014
11 édition

09/01/2015 > 13/01/2015
festival |Bénin |
Quintessence - Festival International du Film de Ouidah 2015
13ème édition

28/02/2015 > 07/03/2015
festival |Burkina Faso |
FESPACO 2015 (Festival Panafricain du Cinéma et de la télévision de Ouagadougou)
24e édition. Thème : Cinéma africain : production et diffusion à l'ère du numérique''.

24/04/2015 > 30/04/2015
festival |Burundi |
FESTICAB 2015 - Festival International du Cinéma et de l'Audiovisuel du Burundi
7ème édition. Thème: "Cinéma et Droits de la personne humaine".

18/07/2015 > 25/07/2015
festival |Cameroun |
Ecrans Noirs 2015
19ème édition. Thème : "Numérique et exigence de formation". YAOUNDÉ, DOUALA

18/07/2015 > 26/07/2015
festival |Tanzanie |
Zanzibar International Film Festival (ZIFF) 2015
18ème édition

   liens structures

Un Autre Regard Production
France | Bobigny

haut de page

   vidéos
   

 

A coeur ouvert
bande annonce

 
   


   vos commentaires
vos commentaires sur cette critique :
   
 
  ajouter un commentaire
   

haut de page